Categoria Negócios

porMarkat

Marketing Digital: quem pode me ajudar?

O marketing digital é a atual ferramenta mais importante para que as empresas possam sobreviver. Com o crescimento constante da concorrência – afinal só no ano passado foram abertas 2.534.785 de empresas no Brasil, segundo os dados Serasa Experian – você precisa de uma estratégia para se destacar, atrair e fidelizar o público a sua marca.

O que você pode fazer?

Contratar uma agência digital, e conversar com o estrategista de marketing, pois essa é a pessoa responsável pela elaboração de soluções para atender aos objetivos da sua marca e dos seu clientes.

Tá, mas o que ele pode fazer?

O planejador de marketing irá definir a sua estratégia de marketing online (redes sociais, e-mails, ferramentas, mídias paga, entre outros), analisar os concorrentes, identificar as melhores oportunidades e práticas para aplicar em seu negócio.

Ele busca entender as novidades que a internet traz, como elas podem afetar a sua estratégia e como deverá otimizá-la. Com isso, irá descobrir cada um dos canais a serem utilizados, como eles operam e interagem com os outros, criando uma comunicação entre eles sem desperdiçar tempo e oportunidades.

Por fim…

Agora que você sabe um pouco mais sobre o profissional que poderá ajudar a alavancar a sua empresa no mundo digital, ficou mais fácil saber onde, como procurar e como conversar com ele, não é mesmo?

Comenta aqui embaixo o que achou desse texto e se tem mais alguma dúvida 🙂

Ah, quase esqueci, dá uma olhadinha nos nossos pacotes para redes sociais, podemos te ajudar!

porLouise Andrade

Cultura Organizacional

O que é a Cultura Organizacional?

É o conjunto de características próprias e fundamentais na construção da sua identidade, como missão, visão, valores, ambições da empresa, e o seu diferencial perante os concorrentes.

Para que serve essa cultura?

A cultura organizacional serve para apresentar aos colaboradores seus deveres, obrigações e quais comportamentos adequados para o ambiente de trabalho. Essas características da empresa devem ser respeitadas por todos os profissionais que trabalham no local.

Por que a Cultura Organizacional é importante?

A importância de existir uma cultura organizacional bem estruturada e adequada na sua empresa é a influência sobre: a experiência dos clientes com a marca ou produto; a motivação e comprometimento de seus funcionários com o trabalho que exercem; e por fim, os bons resultados que a empresa terá de retorno ao manter seus dois maiores pilares satisfeitos com a sua cultura.

Existe mais de uma Cultura Organizacional? 

É claro que sim! Cada empresa tem suas particularidades e pode escolher o tipo de Cultura Organizacional que mais se encaixa com seu negócio. Sendo as cinco principais culturas:

1- Cultura da Liderança Enriquecida e da Inovação

– O foco é identificar os profissionais engajados e que se destacam pelo trabalho que exercem dentro da organização;
– Todos sabem o que devem ser feito e buscam fazer da melhor forma que podem;
– Existe um alinhamento de objetivos entre a empresa e os colaboradores;
– O ambiente é motivador e estimula os funcionários a produzirem mais e ainda com melhor qualidade.

2- Cultura da Culpa

– Tem como características marcantes os conflitos internos, desconfiança e falta de responsabilidade;
– Dos gestores aos funcionários, todos transferem a culpa entre si por erros e resultados negativos;
– Não há muito aprendizado nessa cultura, pois todos agem como se tudo soubessem;
– Essa postura é um reflexo das mais altas camadas da empresa que se estende por toda ela.

3- Cultura de Quem Respeita a Marca

– Os objetivos da empresa é um fator comum a todos que trabalham no local;
– Todos trabalham buscando os melhores resultados;
– É marcada por um grande poder de liderança;
– As camadas mais altas conseguem repassar seus valores aos colaboradores;
– Gera motivação e empenho nos funcionários;
-Foco maior no coletivo e menor no individual;
– Ainda assim, é possível existir conflitos, pois uns tendem a se destacar mais que outros.

4- Cultura Multidirecional

– Muita competição e individualismo;
– Ambiente difícil para liderar e identificar competências;
– As pessoas não estão dispostas a se ajudar;
– O ambiente não é saudável e sustentável.

5- Cultura do Viva e Deixe Viver

– Não existe plano de carreira;
– Desvalorização do funcionário;
– Não dão feedback sobre os funcionários;
– Essa cultura gera desmotivação aos colaboradores, pois sabem que estão estagnados e não serão avaliador por nenhum setor.

Obrigada por ler até aqui! Volte sempre 😉



porLouise Andrade

Como iniciar o meu próprio negócio?

Em pesquisa realizada pela  Global Entrepreneurship Monitor (GEM), o Brasil aumentou o número de empreendedores em 32,7 milhões dos anos de 2007 a 2017, triplicando o número de pessoas entre 18 e 64 anos que exerciam alguma atividade no país.

Para lhe ajudar, trouxe algumas dicas de como abrir seu próprio negócio de forma eficiente:

1- O que vou oferecer aos meus clientes?

O primeiro passo é decidir o ramo de atuação que deseja, ou seja, definir o seu produto ou serviço, qual público-alvo que a empresa tem pretensão de atingir com esse novo produto/serviço dentro do ramo de negócio.

2- Proposta de Valor: como fazer a minha?

Aqui é o momento de criar a sua Proposta de Valor, que nada mais é que mostrar ao seu consumidor como o seu produto resolve ou melhora a situação dele, a experiência única que ele terá ao investir em seu produto/serviço e os benefícios que você oferece a ele.

3- Missão: o que é e como definir a da minha empresa?

A missão é o motivo pelo qual você criou a sua empresa. Ela reflete a identidade do seu negócio e, por isso, não costuma sofrer alterações com o passar dos anos.

Para criar a sua missão, faça as seguintes perguntas abaixo:

-Para que serve a empresa?

– Qual problema a empresa resolve para o seu cliente?

– Quais necessidades a empresa atende?

– Qual é o seu benefício para o consumidor?

– Qual o papel da empresa na sociedade na qual está inserida?

– Quais são as necessidades que a empresa atende?

E lembre-se: a missão não deve ser o objeto central da sua empresa, pois esta característica fica mais restrita às organizações religiosas, militares ou para empresas com fins não lucrativos.

Tem alguma dúvida, sugestão ou informações a acrescentar, deixe o seu comentário!